Como foi o fim de semana no Vale do Sol

E depois de um trânsito delícia pra sair de São Paulo, de um GPS doido que jogou a gente em uns lugares fora do planeta Terra e de dois celulares sem bateria (e, consequentemente, sem Waze), chegamos em Serra Negra! uhu!!

Achar o Vale do Sol é a coisa mais simples do mundo, porque assim que você entra na cidade já tem várias placas sinalizando a direção. Fizemos o check-in e, ao entrar no nosso quarto, nos deparamos com um local amplo, chão e móveis de madeira, super limpinho e aconchegante. Bem carinha de fazenda, mesmo, sabe? A vontade de se enfiar debaixo das cobertas naquele friozinho leve que estava fazendo era grande, mas a fome falava mais alto e fomos procurar o restaurante para aproveitar o jantar. Eita comidinha deliciosa! Super caseira, várias opções de saladas, sopinhas e caldos quentes, sobremesas. Era o que faltava para coroar a noite!

Mas a melhor surpresa veio no dia seguinte. Saímos do quarto de manhã para ir tomar café e demos de cara com uma vista de tirar o fôlego: sol, céu azul e a Serra da Mantiqueira se estendendo bem a nossa frente, imensa. Uau! Que paz, que tranquilidade! Queria ficar lá o resto do dia, só admirando a paisagem… Mas o dia estava tão bonito que optamos por dar uma caminhada para conhecer as dependências do hotel e, de quebra, praticar um exercício físico #projetoverão2020.

O hotel

Piscinas

O restaurante

Lá realmente tem bastante coisa pra fazer, e conseguimos aproveitar o fim de semana do jeitinho que queríamos: caminhamos, tomamos sol, relaxamos na piscina, descansamos, conversamos muito e comemos mais ainda! Além disso, sou só elogios para o Vale do Sol: comida caprichada e variada, a infra-estrutura excelente, atendimento acolhedor. Não tenho nada a reclamar, de verdade! Foi, sem dúvida nenhuma, a escolha perfeita, que se encaixava com o momento. E como fez bem, afe! Na segunda-feira éramos outras pessoas. Renovadas. Mais leves. Mais felizes. É impressionante como esse tipo de escapada e um pouco de loucurinha faz diferença na vida, né não?

Viajar, para qualquer lugar que seja e pelo tempo que for, areja a mente, distrai a cabeça, renova as energias. Pode ser um simples bate-e-volta para a praia, um fim de semana nas montanhas ou um mês na Europa. Não importa. O que vale é ir. Tem mil possibilidades para todos os gostos e bolsos. É só se jogar!

Fui!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *