Monthly Archives: May 2015

7 dicas: o que levar na bagagem de mão?

O que levar na bagagem de mão?

Viajar é muito bom né? Mas quando vamos fazer uma viagem de avião, especialmente para fora do país, precisamos fazer uma mala de mão bem pensada para não passar perrengue e esquecer detalhes importantes.

A gente já deu 11 dicas preciosas para enfrentar o aeroporto (clica AQUI pra ler!), e agora contamos 7 dicas preciosas sobre o que levar na bagagem de mão. Anota aí e boa viagem!

o que levar na bagagem de mão

1. Necessaire pessoal

Na sua bolsa ou mochila, leve escova e pasta de dentes, pente, fio dental, lenço íntimo umedecido, lenço removedor de maquiagem, hidratante para as mãos e para o rosto, colírio, remédios, desodorante, espelhinho e outros itens de necessidade básica que você possa precisar usar durante seu voo.

Quem usa lentes de contato, não se esqueça de levar um par extra de lentes (vai que você perde a sua, né?), seus óculos, a solução de limpeza das suas lentes e um colírio específico, já que o ar condicionado da aeronave ajuda a ressecar os olhos.

2. Dinheiro e documentos

Passaporte e cartão de embarque são os itens mais valiosos que você terá de carregar durante sua viagem de avião. Toda hora você vai ter que apresenta-los, e perder um deles vai te causar uma grande confusão. Por isso, mantenha-os sempre perto de você.

Uma dica boa (mas não muito fashion, eu sei) é usar aqueles money belts. É tipo uma pochete fininha (só em falar em “pochete”, dá até arrepios!! hahaha) que você prende na cintura, coloca por baixo da roupa e pronto, tudo bem seguro e protegido. Apesar de não ser o último grito da moda, o money belt permite que você tenha fácil acesso aos seus documentos, dinheiro, cartão de embarque, visto e etc. Só não vale deixar ele para fora da roupa ou tirar para dormir no avião e esquecer, hein? A ideia é não chamar a atenção (como as antigas pochetes faziam) e ganhar agilidade na hora de pegar/guardar seus documentos.

O meu eu comprei na loja online da Centauro e paguei uns 30 e pouco reais. Uso muito!!

3. Trocas de roupa

Quando se faz uma viagem de avião, é preciso considerar alguns imprevistos. Seu voo pode atrasar/ser cancelado/adiado, dar over booking, sua mala extraviar, enfim. E caso você tenha que passar um ou dois dias sem sua mala, é bom estar preparado para não passar perrengue. Leve uma ou duas camisetas extras, calcinha/cueca, meias, toalha de banho, pijama, sabonete, shampoo e condicionador, hidratante corporal, chinelo, shorts/bermuda ou blusa de frio (dependendo do destino).

Ah, lembre-se que todos os vidros com cremes e líquidos na sua mala de mão devem ter no máximo 100mL e estar dentro de uma embalagem transparente! E não exagere na quantidade de coisas, atente-se ao limite de peso!

4. Bloco de anotações e caneta

Pode parecer antiquado, mas ter informações importantes, como telefone e endereço de onde você vai ficar hospedado, contato do seu transfer ou de quem vai te pegar no aeroporto, do seu seguro viagem, pessoa que você conhece no país e etc é fundamental. Você já pensou nisso e tem tudo isso anotado no seu celular? Ótimo, mas se acabar a bateria bem na hora que você precisar, danou-se. Lembre-se: nessas horas, é melhor pecar pelo excesso!

Além disso, se você for para o exterior, vai precisar preencher o formulário de declaração de bens quando estiver pousando no país, e é mais fácil ter a sua própria caneta à mão para não precisar ficar pedindo para ninguém.

5. Adaptador de tomada universal

Cada país tem um tipo de tomada, e as que a gente usa no Brasil nem sempre funciona no exterior. Em vários aeroportos você consegue encontrar um adaptador de tomada universal que tem vários tipos de encaixe, tanto de um lado quanto do outro.

6. Carregador portátil de celular

A gente não quer correr o risco de acabar a bateria do celular bem na hora que queremos fazer aquela foto linda do nascer do sol pela janela do avião ou quando finalmente conseguimos wi-fi de graça para avisar a família que estamos vivos.

Eu comprei um da Sony no Submarino.com e funcionou super bem. Ele não carrega 100% da bateria, mas dá pra quebrar um galho até encontrar a tomada mis próxima! Pelo preço, achei um bom custo x benefício.

7. Leve impresso documentos importantes

A gente tem mania de fazer tudo online e deixar tudo registrado no e-mail ou no print screen do celular, né? #quemnunca? Mas, mais uma vez, é melhor estar prevenido para não ter dor de cabeça. Imprima sua passagem aérea, seu cartão de embarque (se você fez o check-in online), visto (quando necessário), confirmação da escola ou trabalho, voucher do transfer, reserva do hotel.

 

A linda Hohenstaufen, na Alemanha!

Mais um post da coluna “Por que Alemanha?” lindo e maravilhoso escrito pela Chris Rogatto. Quem gosta de história, vai gostar de ler o que ela trouxe pra gente hoje.

Obs.: Gente, a primeira foto é um deslumbre!

Para ler tudo o que já foi escrito no “Por que Alemanha?”, clica AQUI!

Por que Alemanha? - Hohenstaufen

“Quem estiver viajando pela B 10, no trajeto dentro do estado de Baden-Württemberg, e passar próximo da cidade de Göppingen, achará muito interessante a formação e localização de uma montanha ao longe. É o Hohenstaufen! Que é um dos meus lugares favoritos na região, principalmente pelo panorama que avistamos quando estamos em seu topo, mas também por saber que, por quase dois séculos, os duques da Suábia fizeram ali sua moradia.

Hohenstaufen - Vista

Hohenstaufen - desenho do castelo

 

Em 1070 a família Staufer construiu ali um castelo, que na Guerra dos Camponeses, em 1525, foi parcialmente destruído, e infelizmente foi corroído com o passar dos anos sendo considerado em 1736 como totalmente destruído. Nos anos 1967-1971 os restos de seu muro principal foram escavados e ainda podem ser vistos.

 Ruínas do castelo

DICA: Antes de visitar o Hohenstaufen sugiro entrar na exposição permanente “Die Staufer”, sobre a procedência e importância da família na história da Europa, localizada num centro informativo instalado para este fim, no sopé da montanha, próximo a Igreja Barbarossa, isto tornará o passeio muito mais interessante!

Hohenstaufen - Die StauferDentre os vários fatos que me interessaram na exposição, me surpreendi ao saber que à partir do final do século 11 até a segunda metade do século 13, os Staufer prevaleceram na Europa: foi um período de grande tensão política entre a Igreja e o Imperador. Os governantes desta dinastia pregavam uma sociedade mista, incentivando o desenvolvimento da ciência, literatura e arquitetura, e como também se preocupavam com o desenvolvimento urbano e o comércio, criaram assim a base para o desenvolvimento da Europa até nos dias atuais.

O castelo dos Staufer era uma obra-prima da arquitetura de burgos. Dentro dos padrões da época, eles utilizaram as técnicas mais modernas para sua defesa.

Hohenstaufen - maquete do castelo

O Hohenstaufen é um lugar onde o sopro da história nos contagia. A perspectiva que temos de toda a região observada ali de cima é algo, sob minha visão, como que uma viagem ao “paraíso”!

Hohenstaufen - Chris

Memoriais a uma dinastia famosa

A Associação Amigos dos Staufer instituiu a colocação de colunas comemorativos em locais, associados com a importante história da dinastia Staufer na Europa. Eles podem ser encontrados na Itália, França, Alemanha e Áustria.

Em 2002, uma destas colunas, feita em mármore de Puglia, foi erguida no Hohenstaufen. Ela foi erguida para comemorar o 50º aniversário do Estado de Baden-Württemberg juntamente com o aniversário de 750 anos do último integrante da dinastia Saufer, Konradin.

Hohenstaufen - coluna

A sua forma octogonal é uma reminiscência do Castel del Monte, o Castelo dos Staufen, no sul da Itália. A faixa dourada que fecha o pilar acima simboliza a coroa imperial do Sacro Império Romano. A inscrição ítalo-alemã “Hohenstaufen – uma montanha – um castelo – uma dinastia – uma era – um mito” salienta a especial importância do lugar.

Hohenstaufen - inscrição

A vista que temos ali de cima, para toda a região do “Stauferland” é simplesmente maravilhosa! Podemos também avistar outras duas montanhas reais (como aqui são conhecidas) , o Hohenrechberg (Rechberg, local do qual já falamos anteriormente) e o Stuifen. Podem acreditar, em dias de sol, nossa vista alcança um panorama distante em até 100 km – FANTÁSTICO.

Hohenstaufen - Stauferland

Após a deliciosa caminhada pelo bosque que circunda a montanha (duração de aproximadamente 15 minutos), será muito provável que uma parada para uma deliciosa refeição ou um café seja uma ótima pedida. No topo do morro você encontrará o restaurante “Himmel&Erde” (céu e terra) onde você poderá repor suas energias e recuperar o fôlego da incrível experiência visual!

Hohenstaufen - paisagem

Mas se algo mais simples lhe agrada, é só levar sua salsicha, um pouco de carvão e usar o grill do Hohenstaufen.

Então é só abrir a cerveja, sentar e admirar a paisagem, e bom apetite.

>> Porque Alemanha ?

– Porque os churrascos nos parques daqui são uma opção bem legal para passar tempo ao ar livre com os amigos (apesar da qualidade da carne bovina não chegar nem aos pés da brasileira). O custo é baixo e o visual normalmente incrível.”

E eu vou viajar para Austrália, baby!

É isso mesmo que você leu aí no título. Esse domingo, dia 24 de Maio, embarco com destino à terra dos cangurus. Mais precisamente, para Gold Coast. Mas como assim? Porque? O que você vai fazer lá? Quanto tempo vai ficar? Calma, meu caro leitor. Responderei a todas essas questões 🙂

Viajar para Austrália

 1. O que vou fazer em Gold Coast?

Vou fazer um curso de Marketing, que tem a ver com a minha área de formação e atuação, publicidade. Mas devo confessar que o curso é só para cumprir tabela mesmo, pois é preciso ser estudante para conseguir um visto de permanência maior e um emprego, se preciso.

E por que não fazer um curso de Inglês? Primeiro porque eu já falo a língua, segundo porque os cursos de Inglês são um pouco mais puxados, com aulas todos os dias, e não estou com paciência para tanto. Terceiro, porque são mais caros 🙂

Mas o intuito real dessa viagem é mais introspectivo. Me conhecer melhor, me encontrar, saber o que quero da vida. Pode parecer bobagem, mas essa parece ser a melhor forma de conseguir tudo isso, pelo menos pra mim. Cada um tem seus motivos, né? Acredito que passar um tempo sozinha, ter que me virar, viver certas experiências, ficar comigo mesma vai ser muito bom pra mim. #oremos

2. Quanto tempo vou ficar por lá?

Serão quase 7 meses, ou seja, volto para o Brasil em Dezembro.

3. Onde vou morar?

Quem se lembra, sabe que minha irmã está morando em Gold Coast há mais de um ano. Fiz uma entrevista com ela sobre vários aspectos, como a relação com a família, distância, planos para o futuro, dicas de trabalho, agência, moradia, valores e etc quando ela estava lá havia alguns meses. (Clica AQUI para ver tudo isso detalhado!) Mas não, eu não vou morar com ela!

Acontece que ela mora com o namorado em uma unit, que é um apartamento super pequeno feito para duas pessoas. Mesmo. Por isso, ficar com eles mesmo que por alguns dias seria apertado complicado. Então estou procurando um lugar para mim, ou seja, um quarto alugado na casa de alguém! (Espero que quando você estiver lendo esse post, eu já tenha um teto definido!!). Falo mais sobre esse processo todo depois!

4. Por que Gold Coast?

Não, não foi por causa da minha irmã, apesar da idea ter surgido por causa dela. Pesquisei em algumas agências de intercâmbio sobre outros países em que é possível trabalhar legalmente como estudante, e as opções são poucas. E viajar para Austrália me chamou a atenção por ser um país grande, cheio de cidades legais para conhecer, perto de outros países ainda mais legais para viajar e com um dólar mais barato. E dentre todas as cidades australianas, Gold Coast foi a única que preencheu meus pré-requisitos: uma cidade pequena o suficiente para ser tranquila e cheia de natureza, mas grande o suficiente para ter ofertas de emprego e estudo. Além disso, ela está no meio da costa leste, perto de vários lugares lindos para visitar!

Para conhecer um pouquinho a cidade e babar, dá uma olhada nesse vídeo:

5. Como fica o meu trabalho? Como vou ganhar dinheiro lá?

Essa é a parte mais incrível. Para quem não sabe, hoje em dia eu trabalho da minha casa escrevendo conteúdo para redes sociais. Resumindo: escrevo os posts de Facebook, Twitter, Instagram e outros para grandes empresas. E isso é feito totalmente online. Ou seja, é um trabalho que eu faço daqui e farei quando viajar para Austrália também. Por isso, minha fonte de renda atual vai continuar! Isso facilita muito a vida, sem dúvida… Mas, caso eu ache que preciso complementar a verba para viajar ou apenas para ter novas experiências, eu posso arrumar também um emprego por lá, como garçonete, por exemplo.

6. E como fica o blog?

Essa é a melhor parte, né?! Morando durante quase 7 meses em um dos países mais lindos do mundo, vou ter bastante conteúdo pra postar aqui! Pretendo tirar muitas fotos, gravar muitos vídeos e escrever muito posts aqui e no Facebook (curte lá!!). Vai ser uma experiência super bacana e vou poder dar várias dicas e informações para quem quer fazer a mesma coisa, ou para quem apenas gosta de ler sobre viagens! Aguardem… 😉

7. E a família? E o namorado?

Pois é, minha gente, o namorado fica no Brasil… Ahhhhhhhh! A ideia de viajar para Austrália partiu dele e tudo foi feito com bastante diálogo, nós dois de acordo em todos os detalhes. Está sendo um processo super bacana e ele tem sido incrível! Está super animado com a minha viagem e tem certeza de que será fundamental para minha vida. É muito bom poder colocar um projeto tão grande e tão pessoal em prática com a pessoa que você ama do seu lado, te dando apoio, né? 🙂 #sorte

Viajar para Austrália - mala8. Mas para tanto tempo de viagem… E a mala?

Desde que surgiu a ideia de viajar para Austrália, em Dezembro de 2014, já tenho pensado sobre a mala. Hahahaha #mejulguem #mulheres! O que levar? O que não levar? O que comprar lá? Depois de meses pensando e comparando com outras viagens que já fiz, cheguei a algumas conclusões. Resolvi que estou em uma fase de desapego. De aprender a viver com menos coisas. Pretendo levar somente peças de roupa que combinem entre si, o menor número de sapatos possível e só as coisas que eu realmente uso. E daí se eu não levar minha calça azul e, de repente, bater uma vontade louca de usar ela por lá? Vou ter que esperar a vontade passar. O que quero dizer é que não vou levar uma roupa que só combina com 2 ou 3 peças que tenho no armário só para o CASO de eu querer usar ela. Não vou usar e pronto.

Inclusive, fiz um post (com vídeo!) AQUI dando dica sobre como arrumar espaço na mala de viagem com aquelas embalagens à vácuo e como usar. Também falei AQUI sobre o que levar na mala e qual foi minha experiência no Reino Unido com o tamanho da mala AQUI. Vale a pena conferir!

__________________

Acho que é isso, gente! Quem tiver mais perguntas, pode deixar nos comentários! Aos poucos, vou trazendo mais posts sobre o assunto, contando minhas experiências, reunindo dicas e tudo o mais pra vocês!

Hildegard, a primeira feminista de todos os tempos!

Você também ama os textos da Chris, que escreve a nossa coluna semana “Por que Alemanha?”. Eu amo! E o pos de hoje é especial porque, além de ser o último da série sobre o Rio Reno (os outros dois estão AQUI e AQUI. Vale a pena ler!), conta a história de uma mulher que fez a diferença na Idade Média!

Curioso? Vamos lá então!

Por que Alemanha? - Hildegard

“Alemanha – Viajando pelas margens no Vale do Médio Reno

Bingen e Hildegard

Após termos viajado e falado muito sobre o Rio Reno e sua importância, sobre a simpática acolhida que Gau Algesheim proporciona a qualquer um que por ali passa e sobre a linda e romântica arquitetura de Bacharat, finalizo esta série de viagens pelas margens do Reno, contando um pouco da história de uma marcante personagem feminina, única na idade medieval, cuja vida está inteiramente ligada à cidade de Bingen.

Hildegard - vista

Mesmo antes da chegada dos romanos nesta região, existia nas terras hoje conhecidas como Bingen, um assentamento celta, cujo nome era “binge” (= fosso). Estamos então falando de um período antes de Cristo – sim, a história desta região é antiquíssima! No período em torno de 335-360, o presbítero Aetherius de Bingen fundou uma comunidade liderada por sacerdotes. Como prova deste período encontramos ainda hoje seu túmulo de pedra na Basílica de Martin.

Viajando agora por Bingen na Idade Medieval nos deparamos com lendas, ruínas e a surpreendente personalidade de Hildegard von Bingen, abadessa beneditina, nascida em 1098, também considerada como primeira representante da mística alemã da Idade Média. Você sabe quem ela foi?

Hildegard - estátuaHildegard foi a primeira feminista de todos os tempos. E, não se esqueça, estamos falando de um período entre 1098 e 1178! Apesar das rigorosas normas eclesiásticas, ela conseguiu conquistar um espaço para si nesse ambiente marcado pela religião, algo mais do que incomum naquela época.

Foi reconhecida cientista, fundou entre 1147 e 1150 o convento Rupertsberg. Após 1150 Hildegard escreveu um livro sobre a origem e tratamento de várias doenças, não só físicas como também de natureza interior e escreveu nele também sobre a qualidade e as propriedades curativas de várias criaturas e plantas.

Ela catalogou milhares de ervas medicinais e seus efeitos, criando uma fonte de pesquisas usada até hoje. E, diz a lenda, que ela teria descoberto então as propriedades do lúpulo, na mesma época em que a planta passou a ser utilizada para conservar a bebida, que compunha a alimentação nos mosteiros nas épocas de jejum.

Hildegard-plantas

Dedicou-se também à música, compondo importantes obras vocais sacras, principalmente para vozes femininas. Sua educação ia muito além do que era esperado de uma mulher em tal época.

Ouçam que maravilha…

Hildegard-Torre-dos-RatosMas, voltando a falar sobre a cidade de Bingen, continuamos a viajar por lendas e ruínas. Um dos mais famosos pontos turísticos da cidade é a famosa Torre dos Ratos (Mäuseturm) foi local para uma das mais famosas lendas da região. Dizem que um bispo foi cumprir penitência nela e foi devorado por mil ratos, como castigo por sua avareza, fato que não foi comprovado até hoje… A torre, no entanto, serviu até 1975 como sinalização para a navegação no Reno.

Atualmente não é mais muito fácil descobrirmos os locais frequentados por Hildegard em Bingen, devido a atual paisagem urbana da cidade. Mas ainda temos inúmeras maneiras de nos “encontrarmos“ com a mulher mais importante da Idade Média por alí. A trilha “Binger Hildegard” convida tanto moradores como também visitantes a conhecer os lugares que nos lembram de Hildegard, bem como sua colocação perante a sua vida e seu trabalho.

Nesta trilha, é possível também encontrar inúmeras lojas e restaurantes que se identificam de alguma forma com Hildegard von Bingen e nos oferecem produtos de excelente qualidade sempre com referência a ela. Desde literatura até vinhos, bem como também ervas e chás. Estes estabelecimentos podem ser reconhecidos pelo logotipo de Hildegard em suas vitrines.

Hildegard-logotipo

Bingen tem muito mais a oferecer, a cidade é linda, tem um bom comércio e ladeando o Rio Reno encontramos um delicioso parque, aonde caminhamos admirando a movimentação dos barcos, e podemos fazer uma deliciosa pausa para um típico café, à beira do Rio. Estando na região, não deixe de conhecer Bingen, você não se arrependerá!

>> Porque Alemanha ?

– Porque aqui, visitando cidadezinhas, que a princípio me pareciam oferecer um simples, porém lindo passeio turístico, me deparo com histórias seculares e personagens surpreendentes…”

Roteiro de 5 dias em Miami e Orlando – por Camila Meister

Gente, a Camilinha voltou! \o/ \o/ \o/ Quem lembra da nossa série de posts super especiais onde ela contou suas aventuras, passeios e dicas em 5 dias em Santiago do Chile? Ainda não viu? Clica AQUI então e resolve isso já!

Dessa vez, minha amiga querida/linda/gata vai para mais longe, lá pra bandas da terra do Tio Sam. Ela preparou esse post detalhando como ficou o planejamento da viagem e o roteiro de 5 dias em Miami e Orlando que ela pretende seguir. Quando ela voltar, teremos mais posts (né Cá??? 😉 falando como foi e se as coisas saíram de acordo com o planejado.

Leia mais:

+ Orlando sem carro

+ Dicas para curtir os parques de Orlando

Agora, chega de enrolação e vamos às dicas da Cá!

roteiro de 5 dias em miami - Abertura

O que fazer: Miami e Orlando

Novo destino, data escolhida, então mãos a obra, é ai que começa a minha viagem! Nada melhor do que ter o gostinho de pesquisar, entender… virar a cidade de cabeça para baixo para encontrar tudo que tem para conhecer.

Não podia ser diferente quando ENFIM irei para a Disney World ! Cresci ouvindo, vendo e lendo histórias desse sonho, como grande parte das crianças da minha geração e para ajudar, sou dessas com síndrome de Peter Pan rs, então imaginem a minha expectativa. De quebra, como todo bom brasileiro, passarei antes por Miami. Opa! Mais uma cidade para desbravar \o/.

Ficarei poucos dias em cada local, foi ai que começou a surgir meu primeiro dilema, como adequar meus dias em todos os pontos turísticos, parques e outlets que estava louca para conhecer?! Infelizmente não dá para ter tudo…

Depois de passar hooooooras em frente ao computador pesquisando em blogs, sites, foruns, grupos e afins, consegui listar as paradas obrigatórias das duas cidades (e não são poucas). Confiram:

roteiro de 5 dias em miami

Como podem perceber, não irei fazer metade do que tem em cada uma, por isso foi necessário definir o que eu tinha como prioridade x gastos x localização, para assim ter o meu roteiro de 5 dias em Miami e Orlando aproveitado da melhor forma.

O hotel em Miami escolhido foi o Surfcomber, que fica em SoBe de frente para Ocean Drive e bem próximo a Linconl Road, o que acredito que vá facilitar e MUITO a minha vida para conhecer a região mais “pop” da cidade e adiantar algumas comprinhas também. Segue o que defini para meus dias na cidade das compras:

roteiro de 5 dias em miami - Miami

Para Orlando, minha prioridade era conhecer os parques, por isso nem me preocupei com outlet, compras e em me hospedar no centro da cidade. Meu desejo era conhecer o maior número de parques no curto tempo que ficarei por lá.

A escolha dos parques fica a critério de cada um, pois vai de gosto e de adequar ao cansaço também. Preferi dividir em “um dia mais agitado, para um dia mais calmo”. Além dos parques, tiver sorte, pois no mês que vem irá inaugurar três novas atrações na cidade e já garanti a minha entrada!

    • Orlando Eye: Roda gigante do estilo da “London eye”, com as cabines toda em vidro, ar-condicionado e o passeio dura em média 20 min.
    • Madame Tussauds Orlando: O famoso museu de cera, com imagens das celebridades.
    • SeaLife Aquarium Orlando

roteiro de 5 dias em miami - OrlandoDicas:

  • Há um grupo bem bacana no facebook que dá para tirar várias dúvidas: “Coisas de Orlando
  • No site dos shoppings e outlets é possível encontrar cupons de desconto
  • Alguns restaurantes nos parques é necessário agendamento prévio
  • Confira o horário que abre e fecha de todos os locais que deseja visitar
  • Para ter acesso aos dois parques em um único dia da Universal Studios é preciso comprar o ingresso no formato “Park to Park”, o mesmo vale para quem quer andar no Expresso Hogwarts
  • Evite finais de semana em outlets e no Magic Kingdom, são os dias mais movimentados
  • Restaurantes com comida brasileira: Camila’s; Vittorios
  • Não esquecer do adaptador de tomadas

___________________

Bacharach, na Alemanha, e seu castelo-albergue!

O Por que Alemanha? dessa semana continua sua viagem maravilhosa pelas margens do Vale do Médio Reno, e a parada da vez é a cidadezinha fofa de Bacharach. Sabia que lá tem um castelo albergue onde é possível pernoitar? Leia o post para saber mais!

Para ver mais sobre essa séria linda, escrita pela querida Chris Rogatto, clica AQUI!

Por que Alemanha? - Bacharach

“Alemanha – Viajando pelas margens no Vale do Médio Reno 

Bacharach

Porque tudo ao redor do Reno é tão bonito? Esta pergunta, que também é o título de uma famosa canção regional, é muito fácil de ser respondida, quando se está em Bacharach.

Bacharach está situada bem às margens do Rio Reno, e distante 45 km de Mainz (capital do estado Rheinland –Pfalz). A história conta que Bacharach foi fundada pelo povo celta, embora as primeiras documentações encontradas sobre a cidade datam do século XI. A cidade é mesmo muito pequena, tendo aproximadamente 2.000 habitantes.

Bacharach - Vale do Médio Reno

Houve um tempo em que Bacharach, cidade tombada pela UNESCO, foi o mais importante local para o comércio de vinho no Vale do Médio Reno. Suas casas, localizadas no centro da cidade, tem mais de 500 anos.

Um passeio pelas suas ruas históricas e cantinhos escondidos perto do seu antigo mercado de vinhos é o suficiente para me deixar fascinada por este pequeno lugar. A cidade é frequentemente mencionada como “centro secreto do Reno Romântico”, e tenho que admitir, ela tem todos os atributos para receber este título, a meu ver é um dos lugares mais bonitos de todo o médio Reno. E por isto me dedico a escrever um pouco sobre ela.

Bacharach - Centro

No século XIX, Victor Hugo esteve na cidade e se apaixonou. Descreveu-a como sendo “uma das cidades mais bonitas do mundo”. E em minha opinião, ele estava totalmente certo.

Ainda nos dias atuais a cidade imprBacharach - Alte Hausessiona com seu muro e suas torres medievais, em grande parte intactos. Em seu pequeno centro encontramos belas construções em estilo enxamiel. Em especial a “Alte Haus” (casa antiga) é digna de admiração! Ela é uma das casas medievais mais conhecidas em todo o vale do Rio Reno, sua construção data de 1300. É hoje o ponto turístico mais famoso da cidade e funciona atualmente como restaurante.

Aconchegantes restaurantes servem ali requintados vinhos, cujas uvas são plantadas nas íngremes encostas que rodeiam Bacharach, um convite para se ficar um pouco mais por ali.

Bacharach - Vista

As trilhas “Rheinburgenweg” e Rheinsteig inspiram o visitante para caminhadas com belas e deslumbrantes vistas.

Porém saindo ali do centro mesmo, em curta, mas íngreme caminhada, alcançamos o Burgo Stahleck, construído em 1132 e hoje funcionando como albergue muito confortável. Caso você sonhe em alguma vez na vida pernoitar em um castelo medieval, pagando pouco por isto, ali poderá realizar este sonho – uma noite para uma família com dois filhos custa em torno de €24,00 – veja aqui com seus próprios olhos, e se quiser já faça uma reserva!

Bacharach - Castelo Albergue

O castelo Stahleck foi destruído pelos franceses em 1689. Ele foi reconstruído logo após, mas a parte interna está toda modernizada para abrigar o albergue. Em Stahleck temos uma vista maravilhosa do Reno, que inspira ao romance, minha imaginação me leva a ouvir ao longe antigas canções medievais, e o incrível é que tudo se torna tão palpável. Neste filme feito em um evento no Castelo, você entenderá exatamente do que estou falando….

No início da curta caminhada até o castelo, me deparei com as ruínas da Capela Werner, são impressionantemente lindas! Esta capela, um das mais belas construções em estilo gótico do médio Reno, infelizmente hoje ruína, foi erguida em memória a Werner, um menino cujo corpo foi encontrado perto de Bacharach, isto lá pelos idos do século XIII, e que passou a ser considerado santo. Esta história começou a atrair peregrinos ao local, e com suas doações ela pode ser construída, sua construção levou nada mais nada menos do que 140 anos! Infelizmente ela foi destruída no século XVII.

Bacharach - Capela Werner

Minha sugestão para almoço ou jantar? No maravilhoso restaurante Alte Münze, que fica no centro de Bacharach. Entre os anos de 1214 e 1508 alí eram produzidas moedas de ouro. O local é lindo, bem típico e agradável, como tudo na cidade. O restaurante fica na Oberstrasse 72.

E assim Bacharach me conquistou de forma tão especial… uma cidade saída dos livros de cavaleiros e princesas que faz minha imaginação se tornar quase que cena da realidade.

>> Por que Alemanha?

– Porque na Alemanha existem em torno de 550 Jugendherbergen (albergues da juventude) e somente em 2014 ocorreram aqui 10 milhões de pernoites em suas confortáveis e simples instalações, sendo que o primeiro albergue foi instituído em 1912, na cidade de Altena e hoje serve de museu mantendo suas acomodações originais.”

Dica para arrumar espaço na mala de viagem!

Fazer uma viagem grande implica em uma mala elaborada. Veja bem, eu disse elaborada, e não enorme. Escolher as peças adequadas, versáteis e que combinam entre si já é de grande ajuda (já dei algumas diquinha de como montar uma mala de viagem nesse post AQUI e como planejar uma viagem ao exterior AQUI. Clica nos links pra ler!), mas dependendo do tipo, destino e duração da viagem, a gente acaba tendo que levar bastante coisa mesmo.

Mas e aí? Como arrumar espaço na mala de viagem? Como fazer tudo caber ali dentro e não correr o risco de ter que pagar excesso e bagagem?

Navegando um dia desses nessa internet de meu Deus, enquanto fazia minha atividade física quase diária, vi um vídeo da Lu Ferreira, no Blog Chata de Galocha, indicando o uso de embalagens a vácuo para arrumar espaço na mala de viagem. Achei a ideia gênia mas me senti completamente burra. COMO eu não tinha pensado nisso antes, minha gente? Depois de sofrer tanto em viagens com falta de espaço na mala, principalmente no Reino Unido e em Nova York, e prestes a fazer um outra viagem bem maior agora, fui na hora pesquisa na internet sobre as tais embalagens.

Resolvi ousar e gravar esse vídeo mostrando detalhes do produto, como usar, preço, marca e onde comprar esses sacos a vácuo. Também achei uma excelente desculpa para tomar vergonha na cara coragem e começar a fazer vídeos pra gente o/!

Não me julguem. Pensa que o ser humano aqui tá começando! Mas deem a opinião de vocês nos comentários? Vai ser muito importante para me balizar para os próximos! 1, 2, 3 e… ação!

https://www.youtube.com/watch?v=UnbAWBUyMC8

Também tirei algumas fotos no melhor estilo “antes e depois” para vocês verem a diferença:

Como arrumar espaço na mala - antes e depois

Foram 7 blusas de frio grandes, gordas e pesadas dentro da sacola. Observe a diferença nas fotos de baixo, dentro da mala. Veja como sobra espaço na foto da direita!

Alguém já usa esse truque? Alguma outra dica de como arrumar espaço na mala?

Bjos!

Gau Algesheim: viajando pelas margens no Vale do Médio Reno

Que bacana conhecer mais sobre a cidadezinha que a Bia, minha amiga, mora na Alemanha! A Chris foi passar uns dias por lá e preparou esse e outros posts sobre a região do Vale do Médio Reno. Cada coisa linda!!

Se você está de viagem marcada para a Alemanha, não pode deixar de ler esse e os demais posts na nossa super coluna “Por que Alemanha?”! Clica AQUI para ver tudo!

Por que Alemanha? - Vale do Médio Reno

“Alemanha – Viajando pelas margens no Vale do Médio Reno

Gau Algesheim

O Rio Reno foi berço de lindas e mágicas cidadezinhas que se instalaram às suas margens no decorrer de tantos séculos. Em sua arquitetura vemos uma história viva, incrível! Poderíamos a todo instante ver o movimento dos mercadores, dos animais de carga, os reis em seus castelos, os serviçais atrás de novas mercadorias recém-chegadas nos cais, para satisfazer os desejos das rainhas e princesas… um mundo de sonhos, mas tudo muito real e palpável.

Vale do médio Reno - Alemanha

Eu ainda conheço poucas destas pequenas cidades, mas entre elas tenho, por motivos diversos, as minhas preferidas. Vou tentar, em uma pequena série de notas, mostrar o porque disto para você.

Gau Algesheim

Vale do médio Reno - Bia

Abre parênteses: gente, essa é a Bia, minha amiga linda e maravilhosa! A Chris, que é quem escreve essa coluna, é a mãe dela! <3 Fecha parênteses.

 

Cheguei à pequena cidade de Gau Algesheim através da Beatriz, minha filha, que há 02 anos faz ali sua moradia e se deixou encantar pela magia do local. A minha primeira impressão que tenho sempre que ali chego, é a sensação de entrar numa pequena peça teatral que se passa na idade medieval, a cidade é linda! E somente quem calmamente passeia pelo local consegue entender todo este encanto que Gau-Algesheim exerce sobre Beatriz. Espero que, pelo meu pequeno relato, você também se encante pelo lugar….

Gau Algesheim pertenceu desde sua fundação, em 983, ao distrito de Mainz (hoje capital do estado Rheinland Pfalz) até sua independência no ano de 1787. Em 1355 a cidade se elevou a município, recebendo então naquele ano o direito a ser murada. No castelo (de pequenas proporções diante dos que estou acostumada a ver…), residia então um oficial de justiça do principado de Mainz o que tornou a cidade um pequeno centro administrativo de Mainz.

Pedras tomam conta de sua arquitetura, presentes nas casas, nos antigos muros. Tudo faz minha imaginação me transportar no tempo. No centrinho da cidade, com somente 6.500 habitantes, encontramos logo a linda igreja católica medieval, suas torres são magníficas!

Vale do médio Reno - Igreja

O charmoso prédio barroco da prefeitura está localizado logo ao lado da igreja. Ali, encontramos um centro de informações turísticas, aonde somos muito bem atendidos, fornecem mapas para caminhadas no local, indicações para passeios nos vinhedos – o que é imperdível – e toda informação que se possa necessitar.

Vale do médio Reno - Prefeitura

Mas isto não é tudo, neste minúsculo centrinho encontramos uma livraria simplesmente fantástica!!!! Chama-se “Herr Holgersson”. Eu nunca imaginaria encontrar uma livraria tão aconchegante, moderna, criativa numa cidadezinha tão pequena e com aquele flair medieval. Que agradável surpresa, viajei pela minha infância ao me deparar com uma linda e convidativa cama infantil, rodeada de almofadas, cobertores, e livros e mais livros, ali qualquer criança certamente adquire o prazer da leitura muito cedo! Visite o site e veja por você mesmo.

Vale do médio Reno - Livraria

Após esta visita no pequeno e encantador centro, com os mapas em mãos sugiro conhecer a cidade do alto, caminhando em algum dos roteiros pré-determinados e sinalizados, e assim sentir melhor o ar e a terra que produz vinhos tão maravilhosos, e que adquirem um sabor muito especial, se degustados ali mesmo. Na metade do percurso, já no alto, com vista para o vale, achamos um simpático quiosque. Você chega ali facilmente pois seu caminho está sinalizado e seu nome é GAGA, sim ali mesmo sugiro uma parada, e não se esqueça de levar sua taça de vinho e uma garrafa de Riesling da região, geladinho, assim você terá a experiência sensorial que o local e as uvas podem lhe dar.

Vale do médio Reno - Cidade

Dali de cima, o panorama de todo o vale e para Gau – Algesheim nos leva a achar ao longe o Laurenziberg, também possível de se alcançar através de agradável caminhada. Ali encontramos a Laurenzikirche, igreja de peregrinos, muito antiga, aonde ainda é possível ver, por sobre a sua antiga entrada, o símbolo envelhecido de uma concha, indicando área de peregrinação.

Gau Algesheim foi, na antiguidade, importante centro de peregrinação. A Laurenzikirche foi ponto de parada para repouso dos peregrinos que ali achavam cama, um prato de sopa, e cuidados espirituais e físicos, para o descanso e posterior retorno a sua caminhada.

Vale do médio Reno - ChrisUma visitação a um vinhedo aqui é passeio imperdível. Nos meses de verão, são oferecidos passeios com piquenique e degustação por várias vinícolas. As datas e endereços podem ser encontrados no site da cidade, porém não se esqueça de fazer agendamento prévio.

Afinal a região do médio Reno é a Toscana alemã… Com mais de 2000 horas de sol e cerca de 500 mm de chuva por ano, aqui é uma das áreas mais quentes e mais secas na Alemanha, o que favorece muito a boa qualidade de suas uvas.

Mas se você gosta de uma festa tradicional e muito animada, não perca a festa anual do vinho, realizada há 64 anos sempre no mês de outubro em Gau – Algesheim. Nesta festa você terá a oportunidade de conhecer mais de 40 tipos diferentes de vinhos, provenientes de 8 vinhedos da cidade, nesse site você obterá uma ideia melhor do que eu estou me referindo 

Você terá uma experiência inesquecível… adorarei ler seu comentário aqui.

>> Por que Alemanha ?

– Porque o primeiro livro impresso no mundo foi aqui, sendo que Alemanha é um dos maiores líderes mundiais do mercado do livro, 94.000 títulos são publicados anualmente. E, pasmem, em 1663 a primeira revista do mundo já circulava por aqui!”