Monthly Archives: June 2017

4 motivos para visitar Inhotim

Porque visitar Inhotim

Visitar Inhotim vai trazer muito mais do que conhecimento.

Engana-se quem pensa que esses motivos a que me referi no título desse texto se tratam de obras de arte, o principal atrativo de Inhotim. Localizado no município de Brumadinho, a 60 Km da capital mineira, o maior museu a céu aberto do mundo abriga verdadeiras surpresas para os olhos, a mente e alma. Ao visitar Inhotim, você vai se deparar com 140 hectares. 23 galerias de arte. 23 obras expostas ao ar livre. 7 jardins temáticos. 30 destaques botânicos. E um número infinito de sentimentos.

4 motivos para visitar Inhotim - Paisagem

Em todos os sites e blogs que eu li sobre Inhotim, a recomendação geral era sempre a mesma: vá, é imperdível! Então, eu já estava com as expectativas altas de que seria um passeio super legal e que valeria à pena se deslocar de SP para coração de Minas Gerais para visitar Inhotim. Mas não imaginei que ainda assim seria possível me surpreender mais!

Vou tentar descrever em palavras os 4 motivos para visitar Inhotim e se apaixonar:

A Paisagem

Acho que poucas vezes na vida vi um lugar com uma natureza tão linda e bem cuidada. São 140 hectares de uma vegetação exuberante e impecável. Não há uma folha fora do lugar. Vermelho, rosa, amarelo, roxo, laranja, marrom se misturam ao mar de verde da vegetação. Orquídeas, bromélias, palmeiras, cactos, ipês-amarelos e uma infinidade de plantas que a gente nem sabe que existe convivem em harmonia e enchem os olhos e o coração de quem passeia por lá. Cada esquina, uma surpresa. Cada viela, um encanto. Cada lago com a paisagem refletida na água é inspirador. Mesmo se você não é uma pessoa ligada em arte, a beleza do lugar vale o ingresso!

 

 

4 motivos para visitar Inhotim - Paisagem

 

4 motivos para visitar Inhotim - Paisagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As Obras de Arte

Confesso que sou zero entendedora de arte contemporânea. Adoro um museu, de verdade, mas sou mais da turma das coisas antigas, sabe? Não sou muito fã daquele tipo de arte muito doidona, quando uma bola no meio de uma sala branca é a obra. Pois é. Mas é exatamente isso que você vai encontrar no Inhotim. E vai ser incrível.

Ao visitar Inhotim você vai encontrar muitas obras de arte a céu aberto e mais outras tantas dentro de galerias. E se você pensa que arte são apenas quadros e esculturas, está redondamente enganado! Uma sala com as paredes e teto tomadas por uma cerca de arame são uma obra de arte. Uma sala vazia, redonda e envidraçada com um barulho esquisito é uma obra de arte. Uma sala onde todos os móveis e objetos, sem nenhuma exceção, são vermelhos é uma obra de arte. Lá, experiências sensoriais e sonoras também se transformam em exposição e é preciso algum esforço para tentar entender o que tudo aquilo quer dizer.

4 motivos para visitar Inhotim - Paisagem

Posso filosofar um pouco? Obrigada, de nada. Eu acho que quando a gente viaja, especialmente se for para fazer algo diferente do que estamos acostumados, temos que ir com a mente o mais aberta possível. Vi algumas pessoas entrando nas galerias do Inhotim, colocando um pé dentro da sala, olhando em volta e falando: “ah, vamos, aqui não tem nada”. Viravam as costas e iam embora. “Como assim não tem nada, amigo? Dê uma chance!”, era o que eu pensava.

Eu não estou aqui pra ditar regra de forma alguma, muito menos para criticar o comportamento alheio, afinal, cada um faz o que bem entender. Mas na minha concepção, se você vai em um lugar como esse, onde o diferencial são as obras de arte diferentonas espalhadas pelo parque, você tem que abraçar a causa e se jogar. Não precisa se tornar um expert no assunto se esse não é seu interesse. Mas cada obra, cada galeria, cada jardim possui uma placa com um texto explicativo sobre a ideia do artista por trás daquilo – e o número de gente que passa batido por eles é enorme. Acho que ler esses descritivos e dedicar alguns minutinhos para olhar a obra com mais carinho é fundamental e de extrema importância para TENTAR captar, pelo menos um pouquinho, a ideia do artista. É o mínimo que você precisa fazer para viver a experiência de visitar Inhotim de forma única. Porque vamos combinar, é realmente difícil entrar numa sala escura com algumas mesas cheias de material de marcenaria (pó, martelo, vasilhas) espalhados sobre elas onde a única luz que entra no recinto vem de uma fina fresta na parede, chamar isso de obra de arte e ficar lá meia hora admirando a criação, no maior estilo cult hahahha. Porém, quando você lê o texto e despende 5 minutos para tentar olhar pelo viés do artista, você percebe que a arte contemporânea pode ser, no mínimo, muito criativa!

4 motivos para visitar Inhotim - Paisagem

Deu pra entender o que eu quis dizer? O Inhotim é, de fato, um passeio incrível para qualquer pessoa, e não somente para entendedores e apreciadores de arte, mas é claro que esse é o atrativo do local e o mais bacana disso tudo é entrar no clima e embarcar nas ideias inusitadas dos artistas! Se você se deixar levar, é uma experiência que abre a cabeça mesmo, te faz sair do quadrado. E pode ser bastante divertido!

As Pessoas

Ah, as pessoas… Se teve uma coisa que me encantou demais nessa vigem foi a simpatia, cordialidade, educação e o sorriso das pessoas que cruzaram nosso caminho. Se você ler um pouco mais sobre o Instituto no site, vê que há uma grande preocupação com o desenvolvimento das pessoas e da comunidade ao redor. A intenção é que todo mundo participe, aprenda e ganhe com o museu, e a gente sente essa positividade e carinho emanando de todos os lados quando está lá. Cada funcionário que vimos (e são muitos mesmo, espalhados em todo o canto) é de uma simpatia sem tamanho. Qualquer pergunta que você faça a eles, a resposta vem sempre com um sorriso no rosto. É nítido que o Inhotim se preocupa em tratar bem seus colaboradores, incentivá-los e treiná-los. É possível sentir isso a todo momento, pois cada hectare é tomado de energia positiva.

Pode parecer bobagem para alguns, mas eu acredito que as pessoas com quem cruzamos a cada momento trazem uma energia para a gente. Pode ser o cobrador de ônibus, o porteiro do prédio, seu chefe, namorado, filhos, marido, a caixa do supermercado. Basta um sorriso e um bom dia inesperados que a gente já se sente mais feliz, não é?  Pode reparar. Ao passo que uma cara emburrada e um atendimento com má vontade nos deixa numa bad trip. Por isso que, especialmente quando estamos viajando, fora do nosso porto seguro e soltos no mundo, a energia das pessoas que nos cercam faz toda a diferença na sensação que você fica durante e depois da viagem. Aprendi isso fortemente durante meu intercâmbio na Austrália e isso só vem se confirmando a cada passeio. Inhotim, muito amor por você! S2

As Sensações

Sensações. Essa é a palavra que acho que resume bem a experiência como um todo. Falando em energia, como aquele lugar é contagiante! Você sai de lá com uma sensação de paz, de positividade, de felicidade, de orgulho por ter algo tão bem feito e tão bacana assim no nosso país, e ainda fora do eixo Rio-São Paulo. A natureza, as inspirações, o cuidado, a infraestrutura e as pessoas transformam o Inhotim em uma experiência única. 

Como eu disse em algum lugar lá em cima, esse não é o tipo de arte que eu mais gosto, especialmente porque não sei apreciar. Mas foi a primeira vez que eu compreendi o significado de quando as pessoas falam que a arte desperta sentimentos. E aí, entendi que a proposta do Inhotim é essa. Muito mais do que entender e compreender a arte contemporânea em si, se você se deixar levar pela obra e pela ideia do artista, isso provoca pensamentos, reflexões, ideias e sentimentos novos e únicos.

 

Depois de tudo isso, só tenho a dizer pra você: vá, é imperdível!

O melhor rodízio de fondue do mundo!

O melhor rodízio de fondue do mundo!

Eu AMO fondue. Aliás, amo comer, de modo geral. Mas acho inadmissível que só tenhamos essa iguaria no inverno (ou o que chamamos de inverno por aqui). O tempo começa a esfriar eu já vou ficando ansiosa pra comer o primeiro rodízio de fondue do ano. Mas pra mim tem que ser pacote completo. Não me venha com restaurante que eu tenho que escolher qual sabor eu quero e pagar pelo prato. Meu negócio é RO-DÍ-ZIO! Carne, queijo e chocolate. À vontade. “Manda mais carne, por favor?”. “Dá pra trazer mais pão? Ah, e queijo também!”. “Pode ver mais morango. E uva. E banana. Chocolate? Pode trazer mais uma porção, sim!”. 

Moro em Santo André e aqui pelo ABC Paulista não tem muitas opções de fondue, não – para minha tristeza. Em São Paulo, já fui no famoso Hanover (honestamente? Acho caro demais pro que entregam. A comida é uma delícia e tals, muito bem feito e bem servido, o ambiente é lindo e romântico, mas acho que não vale o preço – nem comprando com Groupon!), no Empório Gaúcho, em Moema (achei uma delícia as primeiras vezes, mas depois o fondue de queijo começou a vir muito estranho, meio rançoso, sabe?), no Konstanz, em Moema também (fui uma vez e achei bem gostoso), no Bistrô Faria Lima (o fondue de queijo deixou mmmmuito a desejar!), e alguns outros. Mas não foram nenhum desses que fez meu coração disparar.

Uma certa vez, estava passando um fim de semana em Campos do Jordão com meu noivo e queríamos muito um rodízio de fondue. A cidade é bastante conhecida por seu “ar europeu” e comidinhas invernais deliciosas, né? Passeando no centro passamos por um monte de restaurantes que serviam essa opção, mas como saber qual deles era o melhor? Qual valia cada centavo?

Procuramos por indicações no FourSquare e lá achamos uma dica de ouro: a diferença entre festival e rodízio de fondue. Pois é, rapaz! Você também achava que era a mesma coisa? Tamo junto… Estávamos quase entrando em um dos restaurantes que servia FESTIVAL quando…. Santo FourSquare! Descobrimos que festival não é à vontade. Vem aquelas quantidades de cada fondue e é isso. Já o rodízio é aquele que você come até ter que desabotoar a calça jeans (quem nunca? hehehe), sabe como? E era exatamente ISSO que estávamos buscando (sempre!).

Aí que encontramos muitas recomendações de um lugar chamado Krokodillo. Lemos que era o top das galáxias mas que a espera poderia ser longa. Fechou! Ficamos cerca de 1h na fila de espera mas compensou cada minuto… O rodízio de fondue é SENSACIONAL! As carnes são macias e variadas, os molhinhos que acompanham são super saborosos e também tem várias opções; o pão é fresco, o queijo é indescritível de tão gostoso (sério, como até morrer esse fondue de queijo…), o chocolate é doce na medida e as frutinhas super gostosas! Ai ai ai…

Rodízio de Fondue Rodízio de Fondue Rodízio de Fondue

>> Para se apaixonar:

  • Como não poderia deixar de ser, a comida é impecável. Bastante fartura, os garçons não ficam “regulando” quando você pede pra repor algum item;
  • O ambiente é lindo e aconchegante! Feito todo em madeira e vidro, de praticamente todas as mesas você tem uma vista linda e cheia de árvores. Dica: no fim da tarde a luz alaranjada do sol deixa o visual ainda mais bonito!;
  • Quem não é tão fã de fondue pode aproveitar o restaurante de qualquer maneira. O cardápio deles é extenso e tem até buffet na hora do almoço (em alguns dias na semana);
  • O restaurante tem 4 unidades, três em Campos e uma em Santo Antônio do Pinhal, cidade vizinha;
  • A simpatia do dono. Numa das vezes que fomos lá, chegamos na porta e descobrimos que a unidade estava fechada pra um evento. Um dos funcionários rapidamente se prontificou a nos levar e buscar com o carro dele na outra unidade, próxima dali. No caminho, descobrimos que ele era um dos donos do restaurante. Uma educação e humildade sem tamanho!

>> Para se ligar:

  • Não aceita cartão de crédito, só cheque (se não me engano) ou dinheiro. Então, se você for como a maioria da humanidade hoje em dia que nunca tem dinheiro na carteira ou usa cheque, passe num caixa eletrônico antes de ir. Uma das vezes que fomos estávamos sem dinheiro e conseguimos pagar via transferência bancária pelo aplicativo do celular na hora mesmo (Itaú), super tranquilo;
  • Quando está muito frio, é BEM gelado lá dentro, mesmo com as lareiras ligadas. Leve blusa!;
  • A fila de espera é uma questão, né? Mas faz parte de qualquer lugar minimamente badalado. Basta se programar pra não morrer de fome na fila! Hehehe

>> Localização

Krokodillo I: Av. Sen. Roberto Simonsen, 1350 – Capivari, Campos do Jordão

Krokodillo II: Av. Pedro Paulo, 21 (caminho do Horto Florestal) – Campos do Jordão

Krokodillo III: Av. Silvio da Costa Rios, 133, Vila Capivari, Campos do Jordão, SP (esse é o que sempre vamos pela praticidade, já que fica ao lado do calçadão de Capivari)

Krokodillo IV: Av. Ministro Nelson Hungria, 731 – Centro – Santo Antônio do Pinhal – SP

>> Preço

O valor gira em torno de R$60 – R$70 por pessoa. É barato? Não. É caro? Não acho. Nenhum rodízio de fondue vai ser uma pechincha, né? Mas por ser na turística Campos do Jordão e rodízio à vontade, acho um ótimo custo-benefício!