Category Archives: Curiosidades

Você sabe onde fica a maior piscina do mundo?

Você sabe qual é a maior piscina do mundo? Tem ideia de onde fica? vamos ver se você adivinha… Primeiramente, é bom deixar claro que, quando eu digo “maior piscina do mundo”, é para pensar em algo realmente gigante, enorme, ridiculamente grande. Tipo assim, inimaginável, sabe?

Onde fica a maior piscina do mundo?

Vamos a alguns números, então. A maior piscina do mundo tem 1Km de extensão (isso mesmo que você leu: UM Q-U-I-L-Ô-M-E-T-R-O), 250 milhões (é, MILHÕES) de litros de água e ocupa uma área de 8 hectares (OITO, gente, OITO!). Isso daria, mais ou menos, cerca de 20 piscinas olímpicas. Com essa tamanhão todo, é possível mergulhar, velejar, fazer caiaque ou, até mesmo, navegar com pequenas e médias embarcações. Tá bom, ou quer mais?

Ela foi construída em 2006 e fica bem pertinho do mar. A água é tão cristalina que a gente baba só de ver as fotos… E aí você pensa, “como abastecer um negócio desse tamanho com uma água tão bonita assim???”. Para tornar a façanha possível, foi desenvolvido um sistema super avançado que filtra a água do mar ali do lado e joga ela toda linda na piscina. Diz que o gasto para a construção dela foi de cerca de US$1 bilhão (entenda bem: um BILHÃO de DÓLARES. Bi-LHÃO), e que a manutenção anual deve ultrapassar os R$2 milhões…

Onde fica a maior piscina do mundo? - Esportes

E aí? Já consegue imaginar ONDE fica a maior piscina do mundo? Alguma ideia? Assim, num primeiro momento, eu chutaria algum lugar nas Ilhas Maldivas, Tailândia, Caribe, Emirados Árabes… Ou algum lugar bem remoto e de difícil acesso. Sabe aquelas coisas super-hiper exclusivas, que só se chega de ultraleve ou similares? Pensaria nisso.

Mas, pasmem. Acredite se quiser, esse paraíso aquático fica aqui perto… no Chile, a 90 quilômetros da capital, Santiago. U-hum. No Chile! Nosso vizinho. Chi-chi-chi le-le-le. (Temos uma série SUPER especial escrita por uma amiga minha que passou 5 dias em Santiago e deu todas a dicas do que fazer por lá nesse tempo. Clique AQUI pra ler!). Tão conhecido por suas montanhas com neve, que a gente nem iria imaginar que uma super piscina dessas ficaria lá, hein? E nem que a temperatura da água dela, no verão, gira em torno de 26ºC (9ºC a menos que nos mares da região).

Onde fica a maior piscina do mundo? - Esportes

A piscina pertence ao hotel San Alfonso del Mar (clique AQUI para visitar o site – disponível em espanhol e inglês), e para usá-la é preciso estar hospedado 🙂

Nesse calor… Que vontade que dá!!!

Triângulo das Bermudas: fatos, mitos e curiosidades

Hummmm quem não gosta de saber curiosidades de alguns lugares estranhos, hein? Eu gosto! E, desta vez, vamos falar um pouquinho de um local bastante conhecido por seus desastres, desaparecimentos e bizarrices do gênero mas que envolve um pequena dose de “mitologia” também…

Triângulo das Bermudas

Na verdade, a região tem tudo para de PARADISÍACA, afinal, fica entre as ilhas Bahamas, Porto Rico, Fort Lauderdale (Flórida) e Bermudas…. Ahhhh acabou o mistério neh? Dei a dica! Esse lugar meio misterioso e macabro é o Triângulo das Bermudas, mundialmente conhecido por registrar altos números de sumiços de aviões, barcos ou qualquer outra coisa motora que se passe por lá…

Um dos casos mais famosos que ocorreram no Triângulo é o do voo 19, quando, em 1945, uma esquadrilha de 5 aviões norte-americanos que passavam pelo local sumiu e não se tinha notícia do que poderia ter acontecido. Para procurar os tripulantes, no mesmo dia do desaparecimento, um hidroavião (aulinha básica: avião preparado para pousar e decolar da água) foi enviado ao local e também sumiu. Até hoje, nenhuma informação foi obtida desse caso… #mistérios

Uma das teorias mais aceitas (e plausíveis) é de que há uma força magnética que atua na região e desestabiliza as bússolas e derivados, fazendo com que embarcações e aviões percam o rumo. Entretanto, as bússolas tem variações magnéticas naturais, por isso, nada de pânico! Bom, aí começam a surgir devaneios em relação a tudo isso, atribuindo esses mistérios a cristais de Atlântida, a cidade perdida, (oi?) forças de alienígenas (claro né, eles nunca podem ficar de fora de histórias como essas!), redemoinhos gigantes, enfim…. De qualquer forma, o lugar ainda provoca medo em quem precisa passar por lá e curiosidade em quem acha bizarro o fato de navios simplesmente evaporarem sem deixar vestígios….

É melhor evitar de passar por lá, não é mesmo? Não é à tôa que o lugar também é chamado de Triângulo do Diabo…. Eu hein…

Bjoooos

Mergulho com tubarões em Galápagos

Para estrear com chave de ouro as férias do blog, vamos de cara com um dica sobre mergulho com tubarões (arraias, leões marinhos e mais uma turma) em Galápagos. Exótico, não?! Vem ler que você vai curtir!

Mergulho com tubarões

Ok, imagino que a maioria das pessoas leria esse título e pensaria “cruzes, jamaaaaaaais”. Mas saiba que pode ser uma ideia muito interessante mergulhar com tubarões, araias, leões-marinhos e companhia. Quem já tem uma boa experiência com mergulho, pode se aventurar a ir para Galápagos (aquela de Darwin, sabe?), ilha localizada no meio do nada, perdida no Pacífico e a centenas de quilômetros do Equador, país ao qual pertence e é o ponto mais próximo.

O mergulho é mais” aventureiro”, por assim dizer: dependendo da época do ano, correntezas bem fortes passam pela região e causam a chamada washing machine (a.k.a. máquina de lavar), levando o mergulhador, assim que ele cai na água, rapidamente para o fundo e depois para a superfície. Isso pode assustar os menos preparados, por isso uma pesquisa antes sobre o lugar e experiência de mar podem ajudar!

Apesar de certas dificuldades em algumas ocasiões, a água é muito limpa e a vida marinha, abundante. Tubarões-baleia, leões-marinhos, focas, araias e outros peixes enormes fazem a diversão do mergulhador. Além disso, na própria capital, vários animais ficam perambulando por aí, na orla, no ponto de ônibus… Você pode estar lindo e belo sentado em um banco em alguma orla qualquer e, PÁ!, um leão marinho dormindo ao seu lado. Legal ,né?

Mergulho com tubarões - Galápagos

E aí? Quem se anima? 😉

Tangamandápio, do seriado Chaves, existe?

Dia desses, mais precisamente em 28/11, recebemos a triste notícia de que o nosso eterno Chaves, o ator Roberto Bolaños, faleceu aos 85 anos em Cancún, México. E eu disse “nosso” porque acho que o seriado pode ser considerado um clássico da televisão brasileira. Sim,  brasileira, mesmo. Afinal, o programa já passa no Brasil há tantos anos e cativou fãs de todas as idades e gerações, que podemos considerar Chaves um pouquinho nosso, vai… #chavestambéénosso 😉

Tá. Mas e o que Chaves tem a ver com um blog de viagens? Nada, certo? Mais ou menos. Você lembra de Tangamandápio, a lendária cidade do carteiro Jaiminho, que eternizou a frase “prefiro evitar a fadiga” e não sabia andar com sua bicicleta? Pois é! Aí é que entra a relação do seriado com esse blog. Será que Tangamandápio existe?

Tangamandápio

Para nossa alegria, Tangamandápio existe, sim. A pequena cidade, que na verdade se chama Santiago Tangamandapio, fica no estado de Michoacán e ganhou fama internacional nas décadas de 70 e 80 com a exibição do programa. Entretanto, lá não tem muito o fazer, a não ser visitar a estátua do glorioso carteiro Jaiminho que foi colocada na praça central, em 2012, como homenagem 🙂

Tangamandápio Mapa

Bjos!

Fossa das Marianas: o lugar mais fundo da Terra!

O lugar de hoje não é nada turístico e nem mesmo “visitável”… Mas está aqui por ser, no mínimo, curioso e meio assustador! Alguém aí já ouviu falar da Fossa das Marianas? Fica no Oceano Pacífico bem na junção de duas placas tectônicas e é o local mais profundo da Terra, com mais de 11.000m de pura escuridão! Chega a ser 7 vezes o tamanho do Grand Canyon… Credo!

Fossa das Marianas

Quem primeiro chegou ao (quase) fundo da Fossa foi um batiscafo (hã?? – tradução: aparelho usado para medir a profundeza dos oceanos) americano em 1960. Atualmente, estão desenvolvendo um robô para chegar nos lugares mais hiper mega profundos da Fossa, mas isso exige uma tecnolgia ABSURDA… Dá para imaginar, neh? Em 1995, os japoneses também chegaram até esse mesmo ponto mas, em nenhuma das duas expedições, havia como tirar fotos ou observar muito bem a olho nu, já que as janelas eram do tamanho de moedas por causa da enoooorme pressão. Quem aí se arrisca a descer 11.000 metros? Hehehe

Essa imagem abaixo dá uma dimensão maior do quanto a Fossa das Marianas é profunda em comparação com o pico mais alto do Planeta, o Monte Everest. Dá só uma olhada:

Fossa das Marianas - Profundidade

Quem sabe no futuro, quando estiverem organizando excursões para lá, eu não me animo, né?

Bjooos

Dica de coleção de souvenirs!

Uma das coisas mais divertidas de quando estamos viajando é entrar nas lojinhas de souvenirs (confessa que você também curte, vai!). São tantos chaveiros, camisetas, bonés, ímãs de geladeiras e enfeites de tudo quanto é jeito que a gente até se perde!

Trazer um souvenirs de uma viagem é uma forma de tentar levar pra casa um pouquinho daquele lugar, de não deixar que o que foi vivido naqueles dias seja esquecido. Sempre que a gente olha para aquela lembrancinha, um pouco daquela viagem nos vem à memória.

Mas o fato é que, com tanta oferta, a gente acaba comprando um monte de coisas. Quem aí nunca entrou para comprar um humilde chaveirinho e acabou saindo cheio de sacolas? #tãoeu #londonfeelings. O problema disso é que, além de gastar uma grana, depois que a gente chega em casa, não sabe muito bem o que fazer com aquelas tralhas todas. E o que acontece? Elas acabam amontoadas ou perdidas em algum canto da casa. Chato, né?

Pensando nisso, resolvi escrever esse post para dar umas ideias legais de coleção de souvenirs. Se você já tem ou está começando uma coleção, fica muito mais fácil de se concentrar em comprar exatamente – e somente! – aquilo. Dessa forma, não cai na “armadilha” de entrar em milhões de lojinhas em busca de “alguma coisa” e acabar carregado de cacarecos.

Então, está aí a regra principal: focar em um item específico. Mas tem que ser alguma coisa legal que você possa deixar exposta. Algo que complemente a decoração da sua casa. Unir o útil ao agradável. Bom assim 🙂

Aqui em casa, minha mãe tem uma coleção de pratos de vários lugares do mundo. Aqueles decorativos que podem ficar em pé em um suporte ou pendurados na parede, sabe? Eles ficam todos juntos sobre o móvel da sala de jantar. Dá só uma olhada como fica legal e deixa o ambiente bonito:

Coleção de Souvenirs

Coleção de Souvenirs - geralE posso falar? Faz o maior sucesso! Sempre que vem uma visita em casa, uma das coisas que mais chama a atenção é a tal da coleção. E o fato de ela ficar enfrente ao espelho dá a impressão de que tem mais pratos ainda. Essa é uma boa tática!

Coleção de Souvenirs - detalhes

Coleção de Souvenirs - detalhes 2

Você também pode fazer isso com canecas. Temos algumas que usamos no dia a dia mesmo, mas é possível separar um espacinho da casa e deixá-las todas juntas como decoração. Ou mesmo pendurá-las pelo cabo na parede! Fica super cool e ocupa menos espaço!

Nesse caso, as canecas ficam todas empilhadas em prateleiras. Bem bonito e diferente!

Coleção de Souvenirs - canecas

Crédito da Imagem: operarocksc.blogspot.com

Ou, quem sabe, você pode fazer uma coleção de souvenirs com os principais pontos turísticos da cidade. Por exemplo, a estátua da liberdade, o ônibus vermelho de Londres, a Torre Eiffel, o Cristo Redentor e por aí vai. Procure seguir um mesmo padrão e você terá uma coleção linda! 

Olha que bacana que ficou essa ideia: coleção de souvenirs de principais pontos e guias turísticos:

Coleção de Souvenirs - turísticos

Créditos da Imagem: www.twosisterscy.com

Também tem os famosos ímãs de geladeiras, que podem, ou não, ser colocados em uma. Olha só aqui duas ideias diferentes:

Coleção de Souvenirs - ímãs

Créditos das Imagens: www.itglamour.com e viajese.wordpress.com

_____________________

Gostaram? Tem mil ideias diferentes para fazer, basta ter criatividade! O principal ponto é tornar a compra de lembrancinhas em algo mais útil, bonito e decorativo pra sua casa 🙂

Quem tiver sugestões legais, pode deixar nos comentários!!

Ithaa: um restaurante no fundo do mar

Restaurante no fundo do mar

Não, você não leu o título desse post errado. Nas Ilhas Maldivas, destino caríssimo e com paisagens estonteantes banhadas pelo Oceano Índico, foi construído o primeiro restaurante submerso do mundo, o Ithaa Undersea Restaurant, em 2005. Apesar de não ser nenhum lançamento, achei legal mostrar por aqui 🙂

Restaurante no fundo do mar - mapa

Localizado a 5 metros da superfície e com as paredes e teto feitos de vidro, a ideia é que os exclusivos clientes apreciem os elaboradíssimos pratos de frutos do mar observando o… fundo do mar! Hehehe. Enquanto você degusta uma saborosa lagosta, fica observando os peixinhos nadarem felizes e contentes ao seu redor. Deve ser uma experiência bem interessante, né?

O restaurante foi construído em Singapura e, depois de pronto, transportado até as Maldivas, em um projeto que custou mais de US$5 milhões. Também, não era pra menos, né? Imagina todos os cálculos de pressão, temperatura, arquitetura, logística e afins para uma ousadia dessas? Afe…

E, obviamente, o alto valor não ia ficar somente na etapa de elaboração e construção do restaurante… Paga-se cerca de US$300 por pessoa para entrar – valor que inclui o prato, mas não a bebida. Salgadinho para um almoço ou jantar, né? Também é preciso fazer reserva antecipada, já que no local cabem apenas 14 clientes por vez. E, claro, vive cheio 😉

A entrada para o tal restaurante é feita por um bangalô até que bem simples, no meio do mar. Aí, é só descer a escada e, tchanán!, você está no fundo do mar! É como se fosse um aquário ao contrário, já parou pra pensar?

Restaurante no fundo do mar - vista

Restaurante no fundo do mar - mesa

 

Restaurante no fundo do mar - vista

O restaurante visto de cima.

Restaurante no fundo do mar - arraias

Ownnn… Arraias fazendo uma visitinha para o jantar!

Restaurante no fundo do mar - entrada

A entrada para o restaurante: um bangalô simples, modesto, aparentemente, nada de mais. Mas tá vendo o restaurante ali do lado direito, abaixo da seta vermelha? 🙂

_______________________

Legal, né? Quem aí tá afim de desembolsar uma grana pra almoçar num restaurante no fundo do mar?

Salar de Uyuni – O curioso Deserto de Sal!

Tem um lugar interessantíssimo nesse mundo que eu sou louca pra conhecer. E fica aqui pertinho, na Bolívia. Pois é, caros amigos da Rede Globo, engana-se redondamente quem pensa que o país não tem nada de muito relevante para se falar em um blog de viagens. Mas tem.

Você já ouviu falar no Salar de Uyuni? É o famoso Deserto de Sal boliviano. Sim, de sal. Sal mesmo, sabe? Não é areia, nem gelo, nem nada parecido. É um deserto de s-a-l. A estimativa é que o Salar possua mais de 64 BILHÕES de toneladas de sal. #pensanapicanha

Salar de Uyuni

São mais de 12 mil Km² de extensão que abrigam lagos, gêisers, montanhas vulcânicas e piscinas naturais de água quente a quase 5.000 m de altura. Para completar a paisagem, milhares de flamingos vivem na região e encantam os turistas que passam por ali.

E, por falar nisso, saiba que é possível atravessar todo o deserto em um 4×4 e chegar na fronteira com o Chile, na beira do Deserto do Atacama. Aí sim a coisa fica realmente interessante! Existem várias agências, inclusive em La Paz, a capital da Bolívia, que vendem esses pacotes. São passeios de 3 dias, geralmente, e com direito a paradas em locais extraordinários no meio do deserto.

O melhor esquema para quem quer se aventurar pelo deserto boliviano é comprar um desses pacotes mesmo. Apesar de não ser a situação mais incrível e confortável do planeta, é a mais segura. Se aventurar sozinho com um carro não apropriado e sem conhecer a região pode ser realmente muito perigoso.

A viagem é puro perrengue, a não ser que você se habilite a pagar alguns mil dólares para um tour privativo. Caso contrário, precisa estar preparado para tomar banho gelado, ficar sem carregar seu celular e máquina fotográfica, tomar refrigerante quente, usar um banheiro imundo e dividir o mesmo carro com pessoas que você nunca viu na vida. Mas acho que vale o sacrifício! O Salar de Uyuni proporciona imagens espetaculares e que você nunca mais vai esquecer! Dá só uma espiada…

Salar de Uyuni - Isla del Pescado

Salar de Uyuni - Laguna Verde

Salar de Uyuni - Laguna Colorada

Salar de Uyuni - Piscinas Naturais

E aí? O que acharam? Muita gente se despenca de todos os cantos do planeta para visitar esse tesouro. E a gente está aqui, tão pertinho, né? E o melhor de tudo: o dinheiro boliviano vale menos do que o nosso. Além disso, é de fato barato viajar pela Bolívia, o que torna esse roteiro bem viável!!!

Bjos!!

México: Cozumel, Tulum e Chichén Itza

Eita que o jogo do Brasil contra o México não foi dos melhores, né? Mas, pelo menos, não perdeu! hehehe De qualquer jeito, não vai ser por isso que vamos deixar de falar um pouquinho sobre o país. Mas ele é muito grande. E tem muitas cidades. E muitas culturas diferentes. Tem desde grandes centros urbanos, passando por praias caribenhas paradisíacas, a ruínas de antigas civilizações. É muita História, esse povo! E muito lugar lindo e interessante. Cozumel 9 Por isso, resolvi eleger três cidades bem próximas umas das outras, ao invés de cantos diferentes dentro do país. (E ah, por falar nisso, já viram o post sobre a Croácia? Não? Clica aqui, então e já resolve isso!). Dessa vez, a ideia foi pensar em algo que possa facilmente servir de sugestão para uma mesma viagem. 10 dias são suficientes para aproveitar tudo e mais um pouco! E é daquelas coisas que a gente não pode morrer antes de conhecer.

O lugar escolhido resume o que o México tem de mais especial: grandes tesouros naturais e históricos. Estou falando de Cozumel, Tulum e Chichén Itza. Vamos ver? Cozumel Ah, o Caribe… praias paradisíacas, resorts à beira-mar, piscina de fundo infinito para um mar azul turquesa, calor, sol e tequila. Falou em Caribe, vem essas imagens na cabeça, não? E pode ter certeza que Cozumel vai te proporcionar tudo isso. E mais um pouco ainda. Cozumel 2Cozumel é o queridinho de mergulhadores do mundo todo. E como não ser, né? Para começar, na região se encontra o 2º maior recife de coral do mundo (o primeiro é o da Austrália!). A água é de uma cristalinidade infinita. A vida marinha é exuberante. O clima, perfeito o ano inteiro. Não dá para não amar! S2 Cozumel 1Mas Cozumel não é só para quem curte ficar debaixo d’água, não. Milhares de turistas desembarcam de dezenas de cruzeiros marítimos que aportam por lá todos os dias. Nas rotas pelo mar do Caribe, é destino certo. Além das várias praias que mais parecem montagens feitas no Photoshop, Cozumel fica em uma área livre de taxas (duty free), ou seja, é o paraíso das compras! yey! E para completar o pacote, a região também é um prato cheio para quem se interessa por civilizações antigas. O Sítio Arqueológico Maia de San Gervasio, por exemplo, é o mais antigo e importante sítio arqueológico de Cozumel e abriga o antigo santuário em homenagem à deusa da fertilidade (Ixchel). Com certeza, vale a visita se você estiver na Ilha. Cozumel 4 Cozumel 5Tulum Ainda no embalo das civilizações antigas, é imperdível conhecer mais dois pontos fundamentais da cultura maia. Se tiver como adicionar mais uns 2 dias na sua viagem, atravesse o continente de volta e vá para Tulum. É uma antiga cidadezinha litorânea, localizada ao sul de Cozumel. Construída pelos Maias (sempre eles!!), ela ainda mantém as muralhas que envolvem a cidade e abriga um importante sítio arqueológico, já que suas ruínas ainda estão muito bem preservadas. Cozumel 7Mas é claro que, estando no mar do Caribe, as praias de Tulum não deixam de ser, no mínimo, sensacionais. Lojas, bares e restaurantes se espalham pela entrada da cidade, e nada como tirar um dia para curtir o mar e conhecer o parque arqueológico 🙂 Cozumel 8 Chichén Itza Para completar a overdose de ruínas, não podia deixar de citar o sítio arqueológico de Chichén-Itza, que fica a cerca de 3 horas de carro de Tulum, sentido “interior”. Considerado Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO e uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo, abriga o famoso Templo Maia de Kukuclán. Você, provavelmente, não deve ter ligado o nome à pessoa (ou ao templo pra falar a verdade!), mas com certeza já viu a imagem abaixo , não? Cozumel 3 Tá bom ou quer mais? Acho que esses 3 lugares são umas das principais atrações do México. São próximos uns dos outros e facilmente “encaixáveis” (existe essa palavra, gente??) dentro de um mesmo roteiro. Se você conseguir unir as praias e os sítios arqueológicos em uma mesma viagem, com certeza será uma experiência única e inesquecível! Bjos!

Um situação bizarra em Montevidéu!

Alguém aí já teve alguma experiência muito bizarra em um país ou cidade diferente? Algo muito estranho que aconteceu e você fica se perguntando se foi pessoal ou se é um hábito local um tanto diferente demais para o seu gosto?

Sempre conto para as pessoas de uma situação muito peculiar que aconteceu comigo e com minha família em Montevidéu, quando o navio parou na cidade e nós descemos para dar uma volta. Era dia 31 de Dezembro de 2013, ou seja, véspera de ano-novo. A cidade estava vazia. Os estabelecimentos todos fechados. Parecia feriado mesmo, sabe? Eis que começamos a ouvir uma música. Andando mais um pouquinho, passamos por uma rua, ainda perto do porto, e estava tendo uma festa. Uma galera dançando e pulando com muitas garrafas de bebida na mão. Ok, normal. Comemoração antecipada de final de ano, talvez? Bom, desviamos da muvuca e continuamos seguindo pelo mapa que pegamos na entrada da cidade rumo aos pontos turísticos.

Montevideú 1Entramos em uma viela e vi que tinham algumas poças d’água no chão. Devia ter chovido à noite, né? Ok, normal também. Não dei muita importância. Continuamos caminhando tranquilamente quando, de repente, PÁ! Eu e meu pai tomamos um banho de água na cabeça! Caído do céu. Do nada. !e repente. Na hora parei sem entender o que tinha acontecido e, ao olhar para cima, vi uma mulher e um menino na sacada com um balde vazio na mão rindo loucamente! Sim!! Foi de propósito! A princípio, achei que tinha sido o menino causando, mas a mulher (mãe, talvez?) também estava rachando o bico e apontando para a nossa cara.

Não sabia se ria ou se chorava. HAHAHA. Na hora, fiquei bastante irritada. Afinal, WHAT THE FUCK? Quem sai molhando os outros na calçada assim, de graça? Depois de uns minutos assimilando o que tinha acontecido, nos recompusemos e continuamos andando. Fazer o que, né?

Montevideú 2Um pouco mais para frente, demos de cara com uma outra rua em que estava tendo outra festa. Várias poças de água na rua também. E tinha muita gente. E muita gente jogando água uns nos outros. Aí comecei a perceber que, talvez, aquilo fosse uma tradição em festas de rua: molhar as pessoas. Cada louco com sua mania, né? Quer dizer, cada país com sua cultura! hahaha Mas estávamos com m-u-i-t-a cara de turista. Mochila nas costas, máquina fotográfica pendurada no pescoço, boné, mapa na mão e aquela típica cara de “onde estou? quem sou eu?”. Definitivamente, não éramos do país e, consequentemente, não estávamos acostumados àquele costume. Achei que isso fosse suficiente para nos pouparem de mais água.

Não tínhamos muitas opções de caminhos alternativos. Teríamos que passar pela rua da festa. Fomos andando encostados nos prédios, embaixo das sacadas, pois ficamos espertos com baldes d’água que poderiam ser jogados na gente de cima #malandrinhos  #játavamanjando (Montevidéu tem muitos prédios antigos e todos tem sacadas, daquelas com cantos arredondados, sabe?). A ideia era passar despercebido. Até aí, tudo tranquilo. Eis que, na nossa direção, vinha um grupo de jovens – claramente bêbados – com garrafas de cerveja na mão. Eles olhavam e riam. Mas tudo bem, pensei, eles não tem água. Ufa. Menos mal! Realmente não tinham água, mas tinham cerveja. E adivinha? Quando cruzamos com eles, um deles VIROU UMA GARRAFA DE CERVEJA DENTRO DA MINHA BLUSA. Exatamente. Levei um banho de cerveja nas costas. Do nada. Muito agradável.

Montevideú 3Como vocês podem imaginar, fiquei muito irritada com isso. Já não bastava estar molhada do balde d’água na cabeça de poucos minutos atrás. Mas cerveja? PORRA, cerveja gruda! Ok… Respira! Com muito ódio no coração, seguimos andando. Achei que já tinha sido o bastante. Sim, já entendemos que é uma tradição de vocês. Já entendemos que vocês estão comemorando alguma coisa e isso é uma prática comum. É assim que se divertem, não é? Jogando água na galera? Em qualquer um? Incrível! Muito criativo! E refrescante, também! Afinal, quem não gosta de levar um banho no meio da rua em pleno calor de Dezembro? Justo! Obrigada por nos mostrarem a cultura local. Adorei! Mas agora já deu. Podemos passar então? Sem água? Muito menos cerveja? Obrigada. De nada.

Eis que um grupo começa a jogar bexigas cheias de água na gente. Foi um ataque, praticamente! E jogadas de longe, aquilo dói onde pega. Derrubou os óculos de sol do meu pai no chão. HAHAHAH bizarro!

Saímos correndo andando e, no caminho, ainda conseguimos desviar de mais um ataque aéreo. Ufa! Pelo menos um… Ao chegar na praça central da cidade, já tinha mais movimento e ninguém nada nos outros por aí. Ainda estávamos meio extasiados pelo acontecido. Aquela cara de “calma aê… mas o que foi isso, afinal?” Terminamos nosso tour e voltamos para o navio. Lá, ouvimos muita gente reclamar da “recepção” pouco calorosa dos uruguaios. É… sei bem como é! rsrs

Montevideú 4

Eu realmente fiquei muito brava na hora. Era óbvio que éramos turistas passeando na cidade e não tínhamos obrigação de “entrar no clima” da festa. Pelo menos, não de maneira forçada. Achei desrespeitoso. Estávamos com máquina fotográfica na mão, mochila. Claramente não estávamos com um look adequado! rs Poderia ter estragado as coisas. Acho que a máxima “quando um não quer, dois não brigam” se aplicava bem para aquele momento.

Mas depois que passou, começamos a rir da situação – que, vamos combinar, é bem engraçada quando se conta! E comecei a me questionar se eu tinha direito de ficar brava. Afinal, estávamos no país deles, no meio da comemoração deles (seja ela qual for, já que não descobri até agora. Alguém sabe?). E pensei no nosso Carnaval. A galera também fica enlouquecida nessa época. Sai do corpo! E se um gringo meio desavisado no meio da folia fosse atacado por confetes, serpentinas e espuma? Teria ele razão de ficar puto? Afinal, é uma festa, e é assim que fazemos. E o intruso é ele. Nós estamos no nosso país. Será que isso se aplicaria para o que aconteceu com a gente em Montevidéu?

Sei lá! Hoje acho engraçado, apesar de não ter gostado. hahaha Mas ainda não tenho uma opinião formada sobre isso. A gente deveria saber que estava tendo festa? Deveria ter levado na esportiva e, quem sabe, até ter entrado na brincadeira? Ou, já que éramos turistas passeando e não podemos prever essas coisas, temos mesmo o direito de ter ficado bravos? Alguém tem alguma opinião sobre isso? O que acham?

Bjos!!